História da Peritagem Seguros

Por Luís Coelho do Nascimento
Agradecimento ao Drº Rui de Almeida , Presidente da C.N.P.R. e autor deste artigo, sobre a história da peritagem.
Página em construção desde 1998.
HISTÓRIA DA PERITAGEM E REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS
Sabia que:

Em Londres, no ano de 1666, ocorreu uma tragédia de grandes dimensões que destruiu em meados do século XVII, grande parte da capital inglesa, constituída na sua maioria por habitações em madeira, assinala o início da atividade da peritagem e regularização de sinistros, conhecida internacionalmente como “Loss Adjusting”.

 Rezam as crónicas da altura, que a carga térmica terá sido de tal forma elevada, que a bola de chumbo que encimava a “St. Paul’s Cathedral”, derreteu.

Após esta catástrofe, ganhou-se consciência da importância da criação de instituições que pudessem de alguma forma assumir riscos, tal como o de fogo. Estava encontrado o conceito de “Seguro”.

Após a fase inicial de elaboração, e génese dos conceitos aplicados de Seguradora, Segurado, Riscos e Sinistro, verificou-se, muito rapidamente, a necessidade de encontrar figuras de carácter idóneo e conhecimentos culturais acima da média, aquando se tratava de determinar prejuízos para efeitos de liquidações de sinistros.

Encontram-se, assim em Inglaterra, em finais do Século XVII e início de XVIII as companhias de Seguros a utilizarem sacerdotes na efetivação daquilo que poderíamos designar hoje por trabalhos de averiguação e determinação de danos, procura esta de acordo com os dizeres de legenda heráldica da Associação de Peritos Inglesa dos nossos dias, onde as palavras de princípio são a Verdade e a Equidade.

Refira-se que, em 1765 existiam em Inglaterra cerca de 10 companhias seguradoras de carácter bastante familiar, porém, no que diz respeito à peritagem sempre foi apanágio destas, a não utilização dos seus próprios funcionários na regulação dos sinistros, o que conduziu a que, em meados do século XIX, existissem já cerca de quatro firmas de peritos independentes, devidamente organizadas.

Após a 2ª Guerra Mundial, e na sequência dos bombardeamentos e destruições registadas, o Governo Britânico solicitou aos peritos de então que se organizassem numa Associação, Associação esta fundada em 1941 com o nome de “Association of Fire Loss Adjuster”. Esta Associação deveria proceder à regulação dos sinistros ocasionados pelos bombardeamentos, sendo as respetivas indemnizações pagas, não pelas seguradoras, mas sim pelo Governo Britânico ao abrigo de linhas económicas de apoio à reconstrução europeia e que viriam a ficar conhecidas na história como Plano Marshall.

Estava assim fundada, com apenas 20 membros, a mais antiga Associação de Peritos do Mundo, ou seja, a CILA, que nos dias de hoje congrega 1400 membros efetivos, para além de 2600 aspirantes.

Nos restantes países da Europa, incluindo Portugal, a evolução foi mais tardia registando-se o aparecimento de firmas organizadas de peritagem, sobretudo ligadas a transportes em finais do século XIX e já no século XX, embora com características diferentes de país para país.

A título de exemplo, em Itália a partir do ano letivo de 1921, através do Dr. Eng.º Doube Depanello, ele próprio também perito requisitado pelas Seguradoras, começou a ser lecionado em curso próprio, a “Técnica de Peritagem”, tal como hoje a entendemos, sobretudo nas áreas relacionadas com a Engenharia, no Instituto Politécnico de Milão, curso este que se mantém até aos nossos dias.

Mas é sobretudo a partir da 2ª Guerra Mundial, com o desenvolvimento das Companhias Seguradoras, que começam a surgir empresas de peritagem a funcionar nos moldes atuais.

Em Portugal, não existem muitos elementos que nos permitam efetuar uma retrospetiva profunda, porém, é a partir da 2ª Guerra e na sequência do crescente procedimento de entrega de trabalhos fora das Seguradoras a técnicos independentes, que se assiste ao proliferamento de peritos e ao consequente aparecimento de empresas de peritagem, algumas de dimensão nacional, acompanhando inclusivamente a internacionalização que se faz sentir nesta atividade, decorrente da associação a outras empresas estrangeiras de dimensão multinacional.

Em construção volte mais tarde…………………………………

Ligações para outros sítios
Para me contactarem basta seguir esta ligação
Em Construção. Volte mais tarde por favor.Estou a trabalhar arduamente
Página em construção.
– Última actualização em 2020/03/09

AVISO LEGAL

A informação contida neste site História do Seguro é privada e, destina-se exclusivamente a consulta dos usuários no presente site. O USUÁRIO, do mesmo só poderá utilizar o mesmo para os efeitos para os quais foi produzido apenas consulta.

Luís Coelho do Nascimento. ( AUTOR) é o titular de todos os direitos de propriedade intelectual, quer estejam ou não registados, relativos a todas e quaisquer informações, conteúdos, dados e  imagens  incorporados no site, ( “SITE”), incluindo a forma sob a qual o SITE  é apresentado, e o USUÁRIO não obterá, nem tentará obter qualquer direito sobre a titularidade da referida propriedade intelectual. O SITE não pode ser reproduzido, distribuído, publicado, alterado e/ou divulgado, no todo ou em parte, junto de terceiros, quer sejam pessoas singulares ou colectivas, públicas ou privadas sem autorização escrita do AUTOR. Quer para fins comerciais ou não, a título gratuito ou oneroso, sem o prévio consentimento escrito do AUTOR.

O referido consentimento do AUTOR está, todavia, sempre condicionado  à referencia do nome do autor, por parte de todos os destinatários do SITE, o correspondente acordo de confidencialidade que o AUTOR forneça para o efeito.

O AUTOR não será responsável pelas alterações ocorridas da informação contidas no site após autorização de utilização.

O SITE não pretende dar uma explicação exaustiva nem fazer uma análise definitiva e ou cronológica sobre a evolução da história de seguros no Mundo e em Portugal, tem apenas a visão do AUTOR, que após estudo exaustivo de anos, e consulta de várias obras e autores devidamente referenciados no SITE.

O AUTOR não assume qualquer responsabilidade em caso de discrepância entre a informação incluída no SITE e a informação de outros autores. O âmbito do SITE restringe-se apenas a aspectos relativos à História dos Seguros, e para a sua preparação foram tidos em conta enormes documentos e informações relacionados com temáticas. Todos os direitos de propriedade intelectual dos conteúdos, das páginas incluídas no SITE pertencem ao AUTOR e o destinatário não recebe nenhum direito sobre a titularidade da dita propriedade intelectual. O conteúdo é privado e está destinado ao uso apenas de consulta por parte do USUÁRIO e é proibido que o conteúdo seja reproduzido, distribuído, publicado, transformado ou difundido, total ou parcialmente, junto de terceiros, físicos ou jurídicos, públicos ou privados. Seja com fins comerciais ou não, a título gratuito ou oneroso, sem o prévio consentimento escrito do AUTOR.

© Copyright ® Luís Coelho Nascimento – 1998 – Todos Direitos Reservados – [Design] de Luís Coelho Nascimento. Todos os direitos reservados. Powered by Luís Coelho Nascimento

 site Credimédia